Intercâmbios

CURSOS NO EXTERIOR: UMA GRANDE AVENTURA EXISTENCIAL

Quem já teve essa chance pode falar: é uma experiência única e enriquecedora viver um tempo no exterior. Não é o mesmo que fazer turismo. Você cresce, continua sendo você, mas volta diferente… Cabeça mais aberta, mais seguro de si, mais experiente. Aliás, está enganado quem acha que cursos e intercâmbios no exterior são destinados apenas a jovens (Há cursos na Inglaterra direcionados especialmente aos cinquentões, por exemplo). Existem cursos de idiomas e estágios para praticamente todos os públicos. As opções são muitas: de um simples aprendizado de idiomas a um mestrado ou doutorado.
Os custos de hospedagem (em alojamentos de estudantes ou casas de família) são muito menores do que em hotéis; gasta-se relativamente pouco com alimentação e também com lazer e transportes, já que é possível obter (se estiver matriculado em uma escola ou faculdade no exterior), uma carteira internacional de estudante que dá direito a diversos descontos em museus, trens, ônibus, aviões etc.
Europa, Estados Unidos, Canadá, Oceania? – Cada país oferece vantagens e desvantagens. A Inglaterra, por exemplo, é um lugar caro. Por outro lado, quem pensa trabalhar por lá (20 horas por semana), ganha bastante e até economiza dinheiro para percorrer a Europa depois. (Muitos brasileiros acabam trabalhando mais horas do que o permitido, visando juntar dinheiro para viajar pela Europa. Quando apanhados são deportados). Em razão da imigração clandestina, a Inglaterra tornou-se muito severa na concessão de vistos. Normalmente o estudante é obrigado a comprovar que sua família tem posses para mantê-lo no Reino Unido.
Até o 11 de setembro o país mais procurado para quem queria estudar inglês era os Estados Unidos. As medidas antipáticas tomadas pela administração Bush para combater a imigração, que acabaram afetando o turismo, a dificuldade em se obter um visto e outros fatores, fizeram com que muita gente desistisse de estudar nos Estados Unidos. Hoje o Canadá se tornou o país preferido por aqueles que querem estudar inglês no exterior. Embora os Estados Unidos sejam a opção mais em conta para quem deseja fazer um ano de ensino médio (colegial), para cursos de línguas o Canadá oferece preços melhores. Sendo um país bilíngüe é possível também estudar francês no Canadá (embora você adquira um sotaque muito particular!). Quem deseja um pouco mais de aventura pode escolher a Nova Zelândia ou Austrália.
Como vivência, a mais rica é a européia: num pequeno espaço geográfico você tem contato com povos de culturas e línguas as mais diferentes. Ou seja, você conhece muito países e tem uma experiência bem mais cosmopolita do que se for se fixar numa cidadezinha caipira do Texas.
Mestrado e doutorado – O ideal é entrar em contato com o departamento cultural do consulado do país onde você pretende fazer seu doutorado ou mestrado e saber qual a faculdade que tem as opções de prós-graduação que pode interessá-lo. Obviamente, você terá que escolher um tema adequado, que possa ter o apoio de um professor que será seu orientador. Quando mais consistente for seu curriculum e interessante o tema escolhido para sua tese, mais chances vocês terá que conseguir uma bolsa de estudos. Isto é, você será pago para estudar. Voltando ao Brasil com um diploma de pós-graduação de uma universidade européia ou americana você terá nas mãos um grande trunfo profissional. Isso sem falar da experiência de vida de passar dois anos em outro país.
Curso de línguas – Há cursos de idiomas com diferentes períodos de duração em diversos países e para todas as idades. Mas, há cursos também na Inglaterra, Austrália, Nova Zelândia, Irlanda etc. É geralmente permitido aos jovens que têm visto de estudante trabalhar 20 horas semanais para ajudar a custear seus estudos. Há cursos de francês na França e em outros países europeus (e também no Canadá), de italiano na Itália, de espanhol na Espanha e na Argentina etc. Hoje em dia muitos cursos combinam aulas de idioma com uma atividade de interesse do estudante, que pode ser culinária, surf, enologia, cinema, design, esportes de inverno etc.
Au Pair Existem opções direcionadas principalmente às mulheres jovens, de trabalhar como babá numa casa de família enquanto fazem o curso. A estudante tem, nesse caso, um pequeno salário (um pouco menos de 400 dólares, casa e comida). É claro, deve ter uma conduta adequada. É bom saber que nem todas as moças que adotam essa opção conseguem ter um relacionamento fácil com sua família adotiva.
Colegial (high school) – Uma outra possibilidade interessante é fazer um semestre ou um ano de estudos nos Estados Unidos, Nova Zelândia, Inglaterra ou Austrália. O estudante pode trabalhar também 20 horas semanais.
Estágios – Há estágios (que podem ser remunerados ou não) para estudantes recém-formados, trabalharem na sua área de formação. Nesse caso é exigido um certo conhecimento da língua falada no país.
As agências de intercâmbio
Cada agência tem seus programas e cursos. Os preços variam muito dependendo da duração do estágio, do país escolhido, do tipo de acomodação, do curso etc. Mova-se, o mundo o espera!

Experimento:
www.experimento.com.br

Connection Line:
www.connectionline.com.br

World Study :
www.worldstudy.com.br

Friends in the World :
www.friendsintheworld.com.br

SIS – Intercâmbio Cultural :

www.sis-intercambio.com.br

Central de Intercâmbio :
www.ci.com.br

Sem Destino :

www.semdestino.com.br

Via MC :
www.viamcintercambio.com.br

Centro Latino de Línguas :
www.cll.com.br

STB Student Travel Bureau :
www.stb.com.br