Nacionais - Chapada Diamantina

O que fazer - geral

Localizada no coração da Bahia, a Chapada Diamantina com certeza é uma aventura que não pode ficar de fora de seu roteiro de viagem. A cada passo é possível encontrar poços de águas azuis, trilhas repletas de belezas, flores, cachoeiras, grutas, vegetação deslumbrante, enfim, o turista tem em suas mãos um verdadeiro paraíso ecológico. Atividades como trekking, rapel, mergulho, espeleologia, caminhadas, canyoning despertam a adrenalina nos visitantes durante os passeios pela Chapada. Depois de se aventurar, ainda é possível relaxar em águas cristalinas dos rios e cachoeiras existentes.

Localização:

*Estado: Bahia

*Idioma: Português

*Clima: Tropical

*Temperatura: 24ºC

*Moeda: Real

*DDD: 75

Distâncias:

*Salvador – 425 km

*Rio de Janeiro – 1.537 km

*São Paulo – 1.850 km

*Feira de Santana – 310 km

 

28446795 imagem_chapada_diamantina lencois-city_vinicius-tupinamba_hutterstock_40907569 Parque_Nacional_da_Chapada_Diamantina_-_Bahia_-_Brasil(4) BXK13133_115-1529_imgmorrodoinaciochapadadiamantina800

Dicas

Dica:

Aqui tudo que reluzia era diamante!

A região da Chapada Diamantina começou a ser colonizada com a chegada de bandeiras e exploradores que estavam em busca de minerais descobertos na região. Em 1710 foi descoberto a presença de ouro no sul da Chapada Diamantina, aguçando ainda mais os desbravadores. Em 1844, foi a vez do diamante despertar a cobiça dos garimpeiros. Desde comerciantes até jesuítas vasculhavam a região do Rio Mucugê em busca de pedras valiosas. O patrimônio histórico conta a saga do garimpo em cada beco e nos casarões seculares das cidades de Lençóis, Rio de Contas, Andaraí, Mucugê e no minúsculo distrito serrano de Igatu, “a cidade de pedras”. A partir do século XIX, a região era dominada pelo coronelismo. Foram poucos os coronéis que dominaram a Chapada, mas esses conseguiram formar verdadeiros impérios e conquistar a confiança dos garimpeiros, que ganhavam abrigo em troca de serviços prestados a favor de seus respectivos coronéis. Um dos coronéis mais famosos foi Felisberto Augusto Sá, Felisverto Sá e Heliodoro de Paula Ribeiro.

 

Portas e janelas abertas para a cultura

A história e riqueza cultural da Chapada Diamantina pode ser percebida facilmente por uma volta pela região, principalmente pela cidade de Lençóis. Tombada pelo Patrimônio Histórico, Lençóis conserva viva a memória dos anos de exploração de garimpo e conta, por meio de suas ruas de pedra e as ruínas dos antigos casarões, ainda existentes, parte da História do Brasil. Os visitantes podem apreciar essas lembranças e sentir as tradições no convívio da população, aproximadamente 11 mil pessoas. Hoje em dia, a Chapada Diamantina tem como principal atividade o turismo, por ter lindas áreas ecológicas, como é o caso do Parque Nacional da Chapada.

atrações

A Chapada Diamantina é um lugar deslumbrante que proporciona a todos os visitantes ótimos passeios. Esse paraíso natural é repleto de lindas cachoeira, grutas, vales encantados e muita, muita água cristalina. Sem falar nos esportes radicais que podem ser praticados na Chapada: biking, rapel, mergulho, enfim, há uma infinidade de atrações. Se por acaso você ficar na dúvida, conheça todas!

 

Parque Nacional da Chapada Diamantina: protegido por lei!

O Parque Nacional da Chapada Diamantina foi fundado com a intenção de proteger a região – já muito prejudicada pela mineração e criação de gado – e incentivar o turismo e a pesquisa científica. O ecossistema atual da região é bem diferente do encontrado pelos primeiros bandeirantes que a exploraram. Grandes árvores foram derrubadas para facilitar a mineração, que também ocasionou a erosão do solo. A região é serrana, de topografia diversificada, onde nascem 90 por cento dos rios que formam as bacias do Paraguaçu, do Jacuípe e do rio de Contas. São milhares de quilômetros de águas cristalinas que brotam dos cumes, escorrem pelas serras em cachoeiras, desaguam em planaltos e planícies formando belíssimos poços e piscinas naturais. A beleza das águas é complementada por uma vegetação exuberante. Os dois pontos mais altos da Bahia estão na Chapada: o Pico do Barbado com 2.080 metros (o mais alto do nordeste) e o Pico das Almas com 1.958 metros.

E foi com o intuito de proteger essas riquezas naturais que foi criado em 1985, o Parque Nacional da Chapada Diamantina, preservando os ecossistemas da Serra do Sincorá. Para amantes do ecoturismo esta região é perfeita, pois a natureza está quase intocada e as pousadas procuram preservar o naturalismo. Aliás, o turismo ecológico consciente dá à Chapada as melhores características de um pólo de lazer que preserva a natureza.

 

A dúvida: Qual desses lugares é o mais lindo?

Lugares lindos é o que não falta na Chapada Diamantina. As belas cachoeiras e tobogãs naturais se formam com o desague dos rios e riachos, formados pelas águas das constantes chuvas vindas do litoral. Com tantas variedades de cachoeiras, grutas e morros fica difícil decidir qual local conhecer. Um dos lugares mais tradicionais da região são a Cachoeira da Fumaça, com quase 400 m de queda livre, e a Cachoeira do Sossego, como o próprio nome diz, é a paz que todos procuram. Para quem gosta de grutas, a Chapada é o lugar ideal, pois conta com várias, uma mais encantadora que a outra: Gruta do Lapão, Gruta da Lapa Doce, Gruta Azul e Gruta da Torrinha. Para entrar na disputa de qual lugar é mais lindo na Chapada, apresentamos os Poços, que vão desde o Azul até o Poço do Diabo.

 

Gastronomia

Próxima Parada: restaurantes

O turista que visita a Chapada Diamantina tem atrações 24 horas por dia! Porém, agora é hora de dar uma pausa nas aventuras e aproveitar tudo o que a culinária da Chapada Diamantina tem a oferecer. São diversos pratos e sabores para escolher o que mais lhe agrada. Depois de muitas caminhadas, prática de esportes e de muita bagagem cultural, a próxima parada é em algum dos restaurantes da Chapada Diamantina. A culinária da região também segue os traços históricos, por meio de uma junção das influências de escravos e garimpeiros que viveram por lá nos séculos XVII e XVIII, respectivamente.

 

Gastronomia de Peso

Pode-se dizer que a gastronomia da Chapada Diamantina tem muita sustância, por isso, o visitante deve esquecer a dieta e aproveitar para saborear as delícias da região. Um dos pratos mais tradicionais da região é a galinha ao molho pardo, acredite, feita com o sangue da própria ave; além da carne-de-sol, entre outros. Os acompanhamentos ficam por conta do arroz com pequi, ensopado de carne-seca com banana verde, também chamado de godó de banana e abóboras. Então fica a dica aos viajantes, comidas como essa repõem todas as energias gastas nas visitas e atvidades físicas realizadas.

 

Curiosidades

Um cemitério diferente

Assim como todo lugar deslumbrante, a Chapada Diamantina traz algumas curiosidades. Para se ter uma idéia, um dos pontos turísticos da Chapada Diamantina é um cemitério. Isso mesmo, a região além de muita diversidade em sua fauna e flora, traz peculiaridades que são só dela. Cachoeiras, morros, lagoas e outros atrativos fazem deste um dos destinos mais exóticos e aventureiros do Brasil. O exotismo da Chapada Diamantina chega ao extremo de oferecer, entre os principais pontos turísticos de Mucugê, o cemitério de Santa Isabel, que chama a atenção pelo estilo bizantino, ao lado de aparições esporádicas de naves intergaláticas, vistas por muitos e até fotografadas na serra do Capa Bode. O cemitério foi construído no final de século XIX, encravado na rocha, onde destaca-se a brancura das torres, cuidadosamente trabalhada contra o cinza da pedra, lembrando um presépio.

 

As curiosidades da Flora e Fauna da Chapada

É nesta região serrana, de topografia diversificada, que nascem rios que formam as principais bacias do Estado. São quilômetros de águas cristalinas que brotam dos cumes, escorrem pelas serras em cachoeiras, desaguam em planaltos e planícies, formando belíssimos poços e piscinas naturais, além de uma valiosa flora e fauna existente. A beleza das águas é complementada por uma vegetação exuberante que mistura espécies cactáceas da caatinga com raros exemplares da flora serrana, especialmente bromélias, mais de 50 tipos de orquídeas e sempre-vivas. Reduto de belezas naturais, a Chapada abarca uma diversidade de flora e fauna. Há espécies animais raras, como o tamanduá bandeira, tatu canastra, porcos espinhos, gatos selvagens, capivaras e inúmeros tipos de pássaros e cobras.

Unfortunately there are no hotels at this location at the moment.

Unfortunately there are no self-catering offers at this location at the moment.

Unfortunately there are no tour offers at this location at the moment.