Como não pagar mico

Devo seguir as regras de comportamento de um país?
Em Roma, como os romanos. Claro que você não precisa se converter ao budismo quando for à Tailândia nem virar judeu em Israel. Mas não custa respeitar alguns hábitos de cada país para não passar por constrangimentos ou mesmo por situações perigosas. Uma gafe muito grande pode inclusive atrapalhar o fechamento de um negócio, porque o interlocutor pode interpretar mal o seu comportamento. Antes de embarcar, procure informar-se ao máximo sobre os costumes do destino:

Na Grã-Bretanha, não coloque a mão no bolso durante a conversa
Nos Estados Unidos, não se assuste se alguém perguntar quanto você ganha
Cartão de visitas é quase um documento no Japão. Dê o seu primeiro e receba o da outra pessoa com as duas mãos
Nos países muçulmanos e também na Índia e na Tailândia, evite levar alimentos à boca ou cumprimentar alguém com a mão esquerda, reservada à limpeza íntima
No Nepal e na Tailândia é tabu tocar na cabeça das crianças, para não perturbar seus espíritos
Ainda em partes da Ásia, ao sentar-se no chão, a etiqueta recomenda não mostrar a sola dos pés para as outras pessoas
Na China, no Japão e na Coréia, espetar verticalmente os palitos usados em refeições no montinho de arroz de sua tigela traz mau agouro
Nos países islâmicos, pessoas do mesmo sexo às vezes se cumprimentam com um abraço e três beijos. Em compensação, qualquer contato físico entre os sexos é malvisto. Ao sentar, não apóie o tornozelo no joelho oposto
No Oriente Médio, na Turquia, na Indonésia e em outras áreas de predominância muçulmana, retire eventuais cintas, carteiras e acessórios de couro de porco antes de entrar nas mesquitas. As mulheres devem cobrir a cabeça com um véu ou um lenço, que, de preferência, esconda também os ombros
Os ombros também devem ser cobertos nas visitas a templos budistas nos países que adotam a religião. Para entrar neles, é preciso tirar os sapatos
Na Jordânia, Faixa de Gaza, Cisjordânia e Jerusalém Oriental, é melhor não usar o kefieh (o lenço tribal palestino) como saída de praia, pano de chão, capacho, canga ou lenço de nariz
No Japão, na China e na Coréia, é normal fazer o maior barulho possível ao sugar a sopa

Como não ser o cliente chato em uma loja?
Não seja pidão! – Não insista pedindo brindes e amostras grátis. Cada loja tem uma política para isso e, ademais, da próxima vez você vai querer ser tratado como um cliente vip e não como um turista mala, certo? Malandragem, dá um tempo… – Nos Estados Unidos, mercadoria com a etiqueta pode ser trocada até mesmo seis meses depois da compra. Mas não queira bancar o espertinho e abusar da boa-fé

Cumprimentar é permitido?
No Brasil, apertos de mão, abraços e até mesmo beijos em mulheres são aceitáveis. Mas, fora daqui, esqueça a mão no ombro, os sorrisos insistentes e intimidades em geral. Beijinhos, então, são impensáveis. O melhor é inclinar o corpo para a frente e esperar o aperto de mão – o anfitrião sinalizará.

O que é legal numa viagem executiva?

Não toque no interlocutor
Não pergunte sobre a vida pessoal dele nem fale sobre a sua
Ceda sempre a passagem
Não fofoque sobre os colegas
Cuidado com a bebida (existe gafe pior do que ficar bêbado?)
Seja pontual
Dê gorjetas
Ouça duas vezes mais do que fala

Em casa alheia, como me portar?
Cuidado: a relação entre anfitrião e visitante que chega de mala e cuia é sempre delicada. Bastam alguns passos em falso e você, que foi tão bem recebido ao chegar, transforma-se em um hóspede indesejado, que nunca mais será convidado a voltar. Para evitar isso, use o bom senso, procure ser mais gentil que de hábito e siga algumas regras básicas de etiqueta. Como estas:

Não chegue de surpresa: antes de viajar, entre em contato com seu anfitrião, pergunte claramente se ele pode recebê-lo no período tal e só bata na porta dele depois de ter combinado os detalhes, até a data da volta. Naturalmente, você a respeitará: não há coisa mais desagradável que hóspede que vem para passar três dias e vai ficando…
Leve um presente: uma bebida, um doce típico, um livro ou até um disco de música brasileira, se você souber o estilo que ele mais aprecia
Colabore nas despesas: nada de esperar que o dono da casa arque com todos os gastos. Se tiver intimidade, ofereça-se para dividir a conta das compras da casa. Ou, se preferir, observe o que ele costuma consumir e surpreenda-o. Quem quer agir não espera nem fica perguntando, porque o anfitrião pode ficar sem graça e recusar a gentileza. Preparar um jantar típico brasileiro para anfitriões estrangeiros também pega muito bem, desde que se peça a autorização para usar a cozinha
Ajude na limpeza: cuidar da arrumação do quarto e não fazer bagunça é regra básica. Mas vá além disso e procure dar uma mãozinha nas pequenas (e aborrecidas) tarefas do dia-a-dia, como tirar a mesa e lavar a louça, sobretudo quando não há empregada na casa
Não folgue com o chuveiro: a maior parte dos europeus não cultiva o hábito de tomar longos banhos todos os dias. Aborde o assunto com delicadeza. Você pode oferecer uma contribuição para o pagamento da taxa de água, que é muito alta
Não peça emprestado: leve xampus, hidratantes, cremes de barbear ou artigos de maquiagem e só use o que for seu
Não se pendure no telefone: é aconselhável não dar o número dele para os outros sem permissão prévia. Interurbanos estão banidos, exceto se forem a cobrar
Respeite os horários da casa: horários de chegada e saída, assim como as chaves da casa, devem ser negociados previamente com o anfitrião
Reponha as perdas: procure respeitar as bebidas e comidas do anfitrião. Só tome um vinho se tiver certeza de poder colocar de volta outro com a mesma qualidade. A mesma regra se aplica a tudo o que você estragar, por azar ou inépcia
Não deixe rastros: no fim da visita, cheque tudo. Se você quer preservar o amigo e voltar nas próximas férias, reserve o último dia para deixar a casa dele limpa, com as luzes e o gás desligados, a geladeira livre de comida perecível e o lixo do lado de fora
Dê um presente para a dona da casa e, com discrição, uma boa caixinha para a empregada. O ideal é de 15 a 20 reais por dia